Uma sonata em luz e sombra

Ângelo Oswaldo de Araújo Santos

O fotógrafo Alexandre Martins apresenta um conjunto de imagens que produziu, ao longo de muitos anos, nas ruas de Ouro Preto. Arquiteto, o autor é íntimo do espaço urbano que perlustra com encanto, questiona a partir do olhar admirado e decifra, pacientemente.

Fotografar a cidade amada é, para ele, iluminar essa paixão e captar a vida que, como as avencas nas muradas de pedra seca, pulsa nos interstícios do monumento. À maneira de uma sonata, o fotógrafo rege o ritmo da luz em seu desempenho na cena de Ouro Preto. Cada movimento tem a autonomia de um andamento, mas se completam os quatro, indissociavelmente, na harmonia da obra composta.

No allegro inicial, o olhar percorre a paisagem, no prazer da contemplação de um espetáculo único e seus detalhes sem conta. A luz desperta os fragmentos, soleniza recortes, brinca e se diverte, entre surpresa e enlevo.

Segue o andante. Luz humana libera a sombra alada, que surge por entre a trama de pedras austeras. Fragmentos da noite se entrecruzam, no claro-escuro barroco em que se desdobra a cidade.

O scherzo traz desenhos em fuga pelas ladeiras e adros. A luz cai, as colunas acordam e dançam, imóveis, como no verso de Octavio Paz. Esboçam memórias na claridade do dia.

O grand finale da obra encena a vida que passa. Plasmada no tempo que não passou, a vida insurge, flui e desaparece, “under the window”, se fazendo ouvir como no poema ouro-pretano de Elizabeth Bishop. Sombra de sonhos, a alma da cidade se revela no instante mágico da fotografia.   

* Ângelo Oswaldo de Araújo Santos é jornalista, escritor e prefeito de Ouro Preto.

Todas as fotografias e textos apresentados neste site têm seus direitos de uso reservados. Desta forma, não é permitida a reprodução, cópia ou utilização dos mesmos sem prévia autorização formal do detentor dos direitos.